Darkside  

Voltar   Darkside > Darkside > Comunidade

Responder
 
Thread Tools
zorba
Trooper
 

Steam ID: luizkowalski
Default Jornalista Ricardo Boechat cai de helicóptero e morre

11-02-19, 15:38 #1
> O jornalista Ricardo Boechat morreu na queda do helicóptero que caiu hoje de manhã no Rodoanel, em São Paulo.
> A informação foi confirmada pelo governo do estado. Além de Boechat, o Corpo de Bombeiros encontrou o corpo do piloto da aeronave carbonizado.



https://veja.abril.com.br/blog/radar...ptero-e-morre/


RIP





zorba is offline   Reply With Quote
EviLBraiN
Trooper
 

11-02-19, 15:44 #2
Putz. Assisti uma palestra dele ano passado. Dele falando sobre como foi a depressão q passou. No fim tirou uma foto na minha mesa com mão no meu ombro. Foi bem humorado, fez um monte de piada.

Ouvia bastante ele de manhã na rádio e à noite na TV.

Tenso. Rip.

EviLBraiN is offline   Reply With Quote
SparkS
Trooper
 

11-02-19, 15:53 #3
Poutz :[

SparkS is offline   Reply With Quote
_j5
Quagmire
 

11-02-19, 16:50 #4
Que merda.

_j5 is offline   Reply With Quote
kuidow
Trooper
 

11-02-19, 17:05 #5
Triste.

Um dos melhores.


"vai procurar uma rola, Malafaia" hahahahaha

kuidow is offline   Reply With Quote
Jeep
fagmin
 

XFIRE ID: ds-jeep Steam ID: jeep_ds
11-02-19, 19:09 #6
rip

Twitter


Last edited by Jeep; 11-02-19 at 19:22..
Jeep is offline   Reply With Quote
Baron
Trooper
 

11-02-19, 19:28 #7
2019 começou cheio das desgraças

Baron is offline   Reply With Quote
XUXU
Trooper
 

PSN ID: duMagrao Steam ID: xuxuzao
11-02-19, 20:25 #8
Rip =(

XUXU is offline   Reply With Quote
Jeep
fagmin
 

XFIRE ID: ds-jeep Steam ID: jeep_ds
11-02-19, 20:30 #9
https://oglobo.globo.com/brasil/heli...aereo-23445186

Helicóptero que levava Boechat não tinha autorização para fazer táxi aéreo

Segundo a Anac, a dona da aeronave só tinha autorização para fazer serviços como aerofotografia e aerofilmagem

O helicóptero que caiu nesta segunda-feira provocando a morte do jornalista Ricardo Boechat e do piloto Ronaldo Quattrucci não tinha autorização para fazer o serviço de taxi aéreo. Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) , a dona da aeronave — a RG Serviços Aéreos Especializados — não poderia fazer nenhuma atividade remunerada , a não ser de "aerofotografia, aeroreportagem, aerofilmagem, entre outros do mesmo ramo".

Já recebe a newsletter diária? Veja mais opções
O helicóptero caiu no início da tarde na Rodovia Anhanguera, na região do Rodoanel. Os dois ocupantes da aeronave morreram no local.

A Anac informou ainda que abriu procedimento administrativo para apurar o tipo de transporte que estava sendo realizado no momento do acidente.

A seguir, a íntegra da nota divulgada pela Anac: "A aeronave de matrícula PT-HPG, acidentada hoje, em São Paulo, era operada e pertencia à empresa RQ Serviços Aéreos Especializados LTDA. A empresa possui autorização da ANAC para prestar Serviços Aéreos Especializados (SAE), que incluem aerofotografia, aeroreportagem, aerofilmagem, entre outros do mesmo ramo. A aeronave acidentada também estava certificada na categoria SAE. Qualquer outra atividade remunerada fora das mencionadas não poderia ser prestada. Tendo em vista essas informações, a ANAC abriu procedimento administrativo para apurar o tipo de transporte que estava sendo realizado no momento do acidente".

O capitão Augusto Paiva, da Polícia Rodoviária, explicou que o helicóptero tentou fazer um pouso de emergência na rodovia quando foi atingido pelo caminhão, que havia acabado de passar pela cancela de cobrança automática do pedágio instalado na ligação entre o rodoanel e a Anhanguera.

Jeep is offline   Reply With Quote
SparkS
Trooper
 

11-02-19, 20:35 #10
Má fiscalização em praticamente tudo, é incrível, assim como ocorreu com o dormitório no CT do Flamengo...

Último programa do Boechat:


SparkS is offline   Reply With Quote
Chronos
Caldas
 

PSN ID: lschronos2 Steam ID: lschronos
12-02-19, 11:12 #11
RIP

Chronos is offline   Reply With Quote
Zedd
Trooper
 

12-02-19, 17:27 #12
O problema de fiscalizaçào é bem complicado. Mas fica claro c essas coisas q nego que burla o mínimo de fiscalizacao efetiva que a gente consegue fazer faz merda mais frequentemente

O problema eh q por natureza competitiva a empresa _precisa_ tratar a fiscalizacao adversariamente. Vira um jogo de "passar" na regra gastando o minimo possivel (que pode muito bem consistir em subornar o fiscal ou cagar pra norma e operar sem lei)

Transparencia governamental é uma solucao obvia pra muito problema, especialmente no BR que ainda tem mto problema engenhado de propósito na obscuridade do estado, mas esse da seguranca de operacao dependeria de transparencia completa das empresas tbm e o mundo simplesmente nao comporta essa possibilidade

RIP pro jornalista e tomara q, assim como no caso da Vale, vá nego preso e q sejam punidos severamente em $, pq eh o ultimo incentivo q funciona

Zedd is offline   Reply With Quote
vegetous
Trooper
 

XFIRE ID: carniceiru
12-02-19, 18:00 #13
velho esse negócio do heli não ter autorização pra fazer taxi aéreo não tem nada a ver com o acidente. não é como se ele tivesse permissão pra transportar 100kg de carga e estivesse transportando 1T, ou se tivesse permissão pra voar 100km e estivesse atravessando o atlântico. essa autorização deve ser preencher formulário e pagar taxa. pilotar uma aeronave pra fazer filmagem, é um negócio que envolve muito mais perícia do que ir do ponto A pro ponto B.

as pessoas precisam de um culpado, e essa empresa vai sobrar!

vegetous is offline   Reply With Quote
Zedd
Trooper
 

12-02-19, 18:13 #14
Eu nao entendo nada de helicoptero e regulacao de taxi aereo mas apostaria que tem regra sobre a frequencia e qualidade das manutencoes e etc

Se a empresa fazia mais do que o necessario pra cumprir a regra e so n preencheu o formulario eh uma coisa; se quis economizar grana e deu merda eh outra

Isso remete ao caso do time de futebol la q a emmpresa era gritantemente fora da norma e o aviao caiu sem combustivel

Zedd is offline   Reply With Quote
vegetous
Trooper
 

XFIRE ID: carniceiru
12-02-19, 18:17 #15
ps.: não estou isentando a empresa em relação a problemas de manutenção!

vegetous is offline   Reply With Quote
Yakov
Trooper
 

Gamertag: kovyakov PSN ID: kvYkv Steam ID: kovyakov
12-02-19, 19:18 #16
Quote:
Postado por vegetous Mostrar Post
velho esse negócio do heli não ter autorização pra fazer taxi aéreo não tem nada a ver com o acidente. não é como se ele tivesse permissão pra transportar 100kg de carga e estivesse transportando 1T, ou se tivesse permissão pra voar 100km e estivesse atravessando o atlântico. essa autorização deve ser preencher formulário e pagar taxa. pilotar uma aeronave pra fazer filmagem, é um negócio que envolve muito mais perícia do que ir do ponto A pro ponto B.

as pessoas precisam de um culpado, e essa empresa vai sobrar!
exatamente.

Yakov is offline   Reply With Quote
troy
Trooper
 

12-02-19, 19:54 #17

Acredito que se ele tivesse buscado pouso em outra área a sorte deles teria sido outra, pois a colisão com o caminhão foi definitiva para o fim trágico que presenciamos.

RIP Boechat. Vai fazer muita falta.

troy is offline   Reply With Quote
troy
Trooper
 

12-02-19, 23:56 #18

Exemplo de mãe. Emocionante.

troy is offline   Reply With Quote
SparkS
Trooper
 

13-02-19, 08:55 #19
Quote:
O presidente do Instituto Para Ser Piloto, Raul Marinho, afirma que o piloto de táxi aéreo precisa de mais experiência do que o de outras categorias. "A diferença disso no custo da hora de voo é brutal. Além disso, é preciso ter programa de manutenção da aeronave e de prevenção ao uso de substância psicoativas."
https://www1.folha.uol.com.br/cotidi...co-menor.shtml

SparkS is offline   Reply With Quote
kuidow
Trooper
 

13-02-19, 15:22 #20
A Sparks, nem entra nessa.

Daria chabu no helicoptero sendo ou nao de taxi aereo. Nao ia mudar.

Engracado que outro dia eu estava pesquisando exatamente esse lance de Autorrotacao no youtube. Pra quem tem duvida de como funciona, tem uns videos fazendo na pratica a manobra de emergencia.

kuidow is offline   Reply With Quote
David
Robson
 

13-02-19, 15:51 #21
Quote:
Postado por kuidow Mostrar Post
A Sparks, nem entra nessa.

Daria chabu no helicoptero sendo ou nao de taxi aereo. Nao ia mudar.

Engracado que outro dia eu estava pesquisando exatamente esse lance de Autorrotacao no youtube. Pra quem tem duvida de como funciona, tem uns videos fazendo na pratica a manobra de emergencia.
Eu entendo que a exigência de treinamento e homologação, tanto do piloto quanto da aeronave, é bem diferente se o propósito for uso próprio ou transporte de passageiros.

Aviação comercial é assim. Há pelo menos 3 níveis claros:
- uso próprio
- taxi aério
- companhia aérea

E a diferença disto tudo é o que será feito em caso de problemas e a dimensão das consequências.

David is offline   Reply With Quote
Jeep
fagmin
 

XFIRE ID: ds-jeep Steam ID: jeep_ds
13-02-19, 16:33 #22
https://politica.estadao.com.br/blog...t-um-homem-bom

[SPOILER]Boechat, um homem bom


Ana Paula Henkel

13 Fevereiro 2019 | 14h25

Num domingo de 2018, um menino de oito anos abordou o Papa Francisco numa visita à Paróquia de São Paulo da Cruz, no sul de Roma, e perguntou se seu pai, recém falecido e ateu, seria recebido por Deus no céu. Emocionado, o pontífice respondeu: “esse homem podia não ter o dom da fé, mas era um pai que criou um filho como você. Deus tem um coração de pai, como seria capaz de deixá-lo longe?”

Lembrei emocionada deste momento tão bonito e delicado ao pensar em Ricardo Boechat, um ídolo não apenas para mim mas para milhões de brasileiros, argentino de nascimento como o Papa e ateu como o pai do menino romano. Meu coração não tem qualquer dúvida que o par mais vívido de olhos azuis que já conheci se abriu na frente de Deus há dois dias e eles puderam ver que tudo de bom que ele fez em 66 anos não foi em vão.

Nesta triste semana, testemunhamos que cada um tem seu próprio Boechat guardado na memória, por isso divido aqui com vocês o meu. Boechat sempre foi um apaixonado pelo meu esporte e nunca houve uma vez, entre as centenas de vezes que nos encontramos em competições, premiações ou apenas passeando no Leblon, que ele não me dissesse: “Aninha, que orgulho eu tenho do nosso vôlei!”. Independentemente do assunto que estávamos falando, era sempre com essa frase que ele se despedia. Ele gostava de comentar as partidas, fazia críticas, analisava nossa performance do último jogo, mas sempre com uma mensagem de incentivo, carinho e força. Ele torcia por nós de coração e, tenho certeza que falo por todos os atletas brasileiros do vôlei, o amor era recíproco.

Seu sorriso inconfundível nunca serviu de moldura para uma fala condescendente ou bajuladora. Boechat comemorava nossas vitórias mas também cobrava nossos infortúnios. Se eu encontrasse com ele depois de uma derrota, sei que ganharia além de um abraço a devida puxada de orelha, dizendo claramente como poderíamos melhorar para os próximos jogos. Ele sabia do que estava falando e nós, profissionais do esporte, ouvíamos com atenção, respeito e reverência. Mais que torcedor, ele também era um eficiente analista comportamental do esporte e um conselheiro com uma visão crítica e muito embasada do vôlei que ele tanto amava.

Um episódio que lembro com um sorriso em meio ao luto é quando comecei a despontar como revelação na seleção brasileira nos anos 90 e Boechat, em sua coluna, começou a me chamar de “nova musa do vôlei”. Como tudo que ele escrevia repercutia na imprensa, depois da terceira ou quarta vez, Bernardinho, técnico da seleção na época e que detestava essa história de musa disso e musa daquilo, uma vez me disse: “olha, esse negócio de musa é complicado, tira o foco do jogo, para mim lugar de musa é no banco”. Encontrei com Boechat pouco tempos depois em um evento em São Paulo, agradeci o elogio, e disse que isso poderia me criar problemas, que Bernardinho estava bravo com essa história de musa e que eu não queria correr o risco de perder minha posição de titular por um detalhe como esse. Ele deu uma gargalhada e respondeu “não liga, Aninha, deixa que eu falo com o Bernardinho e resolvo isso”. Se eles se falaram ou não eu não sei, mas Boechat continuou me chamando de musa em sua coluna, eu não fui para o banco e sempre ríamos disso quando nos encontrávamos.

Em 2004, já atuando no vôlei de praia e tentando uma classificação para a Olimpíada no mesmo ano, encontrei com Boechat algumas vezes pelo Leblon. Eu estava numa padaria na Avenida Ataulfo de Paiva quando senti uma mão no meu ombro e a ouvi a exclamação: “temos que derrubar as gringas, Aninha!”. Ele estava “cabreiro”, como ele mesmo disse, com o time das americanas Walsh / May. E logo emendou: “o que está faltando? O que precisamos fazer? E se vocês sacassem na outra (Walsh)?”. Alguns anos mais tarde, em 2007, vencemos Walsh / May numa semi-final importante na etapa de Vitória do mundial, que contava pontos importantes para a classificação para a Olimpíada de Pequim em 2008, e exatamente como Boechat havia comentado, sacando na Walsh. Nas semanas seguintes a essa vitória, estávamos treinando no Leblon quando Boechat passou correndo no calçadão e, com aquele sorriso marcante e aos berros como se não houvesse mais ninguém na calçada, nos brindou com sua alegria pela nossa vitória: “Eu sabia! Eu sabia! Batemos as gringas! Mas que orgulho eu tenho do nosso vôlei!”. E continuando sua corrida matinal jogou vários beijos no ar para toda nossa equipe.

Boechat foi um dos maiores jornalistas que o Brasil teve, e apesar da vida diária atribulada com inúmeros telefonemas para apurar notícias, ato constante que lhe rendeu calos nas orelhas, a rotina jornalística ensandecida na TV e no rádio, e mais tantos outros compromissos como jornalista e figura pública, ele nunca se apressava numa conversa e fazia sempre do interlocutor o ponto central do encontro. Muitos falam do seu temperamento forte e obstinado, necessário para se tornar quem foi, mas o Boechat que conheci era um homem simples, que andava de sunga e camiseta pelo Leblon, que brindava os amigos que encontrava pelo caminho com uma alegria como se fosse a última vez que os veria. A última vez que encontrei Boechat foi nos primeiros meses de 2018. Do outro lado de uma rua no Leblon, ele abriu aquele sorriso que parecia nunca ter conhecido a tristeza, gritou mais uma vez como se não houvesse ninguém por perto ”mas que orgulho eu tenho do nosso vôlei“ e jogou um beijo no ar. Boechat, por tantos anos, foi de uma generosidade e de um carinho comigo que não sei se merecia.

Quando vejo que Boechat está recebendo homenagens e elogios de todos os lados do espectro político, mesmo com seu destemor, seu compromisso com suas ideias e sua coragem de cobrar das autoridades tudo que via como errado, é sinal de que existe e sempre haverá espaço para o jornalismo que, além de competente, é intelectualmente honesto e com um compromisso sem ressalvas com o público, especialmente no rádio, um meio que cria uma sensação de intimidade tão intensa com o ouvinte que todos nós sentimos a perda não de um comunicador com um talento único apenas, mas quase um membro da família, um amigo de todas as manhãs.

Naquele domingo de abril do ano passado, o Papa Francisco disse a todos os presentes, segundo as reportagens da época: “quem dera se todos nós pudéssemos chorar como este menino quando temos uma dor como ele tem em seu coração. Ele chorou por seu pai e teve a coragem de fazer isso na nossa frente, porque em seu coração há amor por seu pai. É um belo testemunho do filho que herdou a força de seu pai e, também, teve a coragem de chorar diante de todos nós. Se aquele homem era capaz de criar filhos assim, é verdade, ele era um bom homem.”

Boechat era pai de seis filhos e um bom homem. Que Deus o receba de braços abertos e com o mesmo sorriso que Boechat iluminou a vida de tantos ao seu redor. Vá em paz, querido e inesquecível Boechat. Que orgulho temos de você.

Jeep is offline   Reply With Quote
SparkS
Trooper
 

13-02-19, 18:20 #23
Quote:
Postado por kuidow Mostrar Post
A Sparks, nem entra nessa.

Daria chabu no helicoptero sendo ou nao de taxi aereo. Nao ia mudar.

Engracado que outro dia eu estava pesquisando exatamente esse lance de Autorrotacao no youtube. Pra quem tem duvida de como funciona, tem uns videos fazendo na pratica a manobra de emergencia.
Sim, estava só passando as diferenças entre as licenças. Manutenção creio que seja igual para todos, o que pode pesar é a experiência do piloto e isso pode fazer muita diferença nos momentos em que o helicóptero apresenta pane técnica. Não fui atrás dos dados do piloto, quanto tempo de vôo tinha, experiência. Mas sim que existe diferença da experiência dos pilotos para cada categoria. Agora pode ter sido apenas questão técnica, mas um dia pode ocorrer alguma tragédia por outros motivos.

SparkS is offline   Reply With Quote
kuidow
Trooper
 

14-02-19, 14:25 #24
Era bem experiente. 20 anos de profissao.

Cara, pra mim foi azar do caminhao passar na hora e bater do helicoptero.

Se nao passa o caminhao, ele caia mas nao explodia. Uma fatalidade.

kuidow is offline   Reply With Quote
Kensha
Trooper
 

Gamertag: ksnrodrigoms PSN ID: rodrigo_machado
14-02-19, 15:06 #25
Quote:
Postado por Jeep Mostrar Post
https://politica.estadao.com.br/blog...t-um-homem-bom

[SPOILER]Boechat, um homem bom


Ana Paula Henkel

13 Fevereiro 2019 | 14h25

Num domingo de 2018, um menino de oito anos abordou o Papa Francisco numa visita à Paróquia de São Paulo da Cruz, no sul de Roma, e perguntou se seu pai, recém falecido e ateu, seria recebido por Deus no céu. Emocionado, o pontífice respondeu: “esse homem podia não ter o dom da fé, mas era um pai que criou um filho como você. Deus tem um coração de pai, como seria capaz de deixá-lo longe?”

Lembrei emocionada deste momento tão bonito e delicado ao pensar em Ricardo Boechat, um ídolo não apenas para mim mas para milhões de brasileiros, argentino de nascimento como o Papa e ateu como o pai do menino romano. Meu coração não tem qualquer dúvida que o par mais vívido de olhos azuis que já conheci se abriu na frente de Deus há dois dias e eles puderam ver que tudo de bom que ele fez em 66 anos não foi em vão.

Nesta triste semana, testemunhamos que cada um tem seu próprio Boechat guardado na memória, por isso divido aqui com vocês o meu. Boechat sempre foi um apaixonado pelo meu esporte e nunca houve uma vez, entre as centenas de vezes que nos encontramos em competições, premiações ou apenas passeando no Leblon, que ele não me dissesse: “Aninha, que orgulho eu tenho do nosso vôlei!”. Independentemente do assunto que estávamos falando, era sempre com essa frase que ele se despedia. Ele gostava de comentar as partidas, fazia críticas, analisava nossa performance do último jogo, mas sempre com uma mensagem de incentivo, carinho e força. Ele torcia por nós de coração e, tenho certeza que falo por todos os atletas brasileiros do vôlei, o amor era recíproco.

Seu sorriso inconfundível nunca serviu de moldura para uma fala condescendente ou bajuladora. Boechat comemorava nossas vitórias mas também cobrava nossos infortúnios. Se eu encontrasse com ele depois de uma derrota, sei que ganharia além de um abraço a devida puxada de orelha, dizendo claramente como poderíamos melhorar para os próximos jogos. Ele sabia do que estava falando e nós, profissionais do esporte, ouvíamos com atenção, respeito e reverência. Mais que torcedor, ele também era um eficiente analista comportamental do esporte e um conselheiro com uma visão crítica e muito embasada do vôlei que ele tanto amava.

Um episódio que lembro com um sorriso em meio ao luto é quando comecei a despontar como revelação na seleção brasileira nos anos 90 e Boechat, em sua coluna, começou a me chamar de “nova musa do vôlei”. Como tudo que ele escrevia repercutia na imprensa, depois da terceira ou quarta vez, Bernardinho, técnico da seleção na época e que detestava essa história de musa disso e musa daquilo, uma vez me disse: “olha, esse negócio de musa é complicado, tira o foco do jogo, para mim lugar de musa é no banco”. Encontrei com Boechat pouco tempos depois em um evento em São Paulo, agradeci o elogio, e disse que isso poderia me criar problemas, que Bernardinho estava bravo com essa história de musa e que eu não queria correr o risco de perder minha posição de titular por um detalhe como esse. Ele deu uma gargalhada e respondeu “não liga, Aninha, deixa que eu falo com o Bernardinho e resolvo isso”. Se eles se falaram ou não eu não sei, mas Boechat continuou me chamando de musa em sua coluna, eu não fui para o banco e sempre ríamos disso quando nos encontrávamos.

Em 2004, já atuando no vôlei de praia e tentando uma classificação para a Olimpíada no mesmo ano, encontrei com Boechat algumas vezes pelo Leblon. Eu estava numa padaria na Avenida Ataulfo de Paiva quando senti uma mão no meu ombro e a ouvi a exclamação: “temos que derrubar as gringas, Aninha!”. Ele estava “cabreiro”, como ele mesmo disse, com o time das americanas Walsh / May. E logo emendou: “o que está faltando? O que precisamos fazer? E se vocês sacassem na outra (Walsh)?”. Alguns anos mais tarde, em 2007, vencemos Walsh / May numa semi-final importante na etapa de Vitória do mundial, que contava pontos importantes para a classificação para a Olimpíada de Pequim em 2008, e exatamente como Boechat havia comentado, sacando na Walsh. Nas semanas seguintes a essa vitória, estávamos treinando no Leblon quando Boechat passou correndo no calçadão e, com aquele sorriso marcante e aos berros como se não houvesse mais ninguém na calçada, nos brindou com sua alegria pela nossa vitória: “Eu sabia! Eu sabia! Batemos as gringas! Mas que orgulho eu tenho do nosso vôlei!”. E continuando sua corrida matinal jogou vários beijos no ar para toda nossa equipe.

Boechat foi um dos maiores jornalistas que o Brasil teve, e apesar da vida diária atribulada com inúmeros telefonemas para apurar notícias, ato constante que lhe rendeu calos nas orelhas, a rotina jornalística ensandecida na TV e no rádio, e mais tantos outros compromissos como jornalista e figura pública, ele nunca se apressava numa conversa e fazia sempre do interlocutor o ponto central do encontro. Muitos falam do seu temperamento forte e obstinado, necessário para se tornar quem foi, mas o Boechat que conheci era um homem simples, que andava de sunga e camiseta pelo Leblon, que brindava os amigos que encontrava pelo caminho com uma alegria como se fosse a última vez que os veria. A última vez que encontrei Boechat foi nos primeiros meses de 2018. Do outro lado de uma rua no Leblon, ele abriu aquele sorriso que parecia nunca ter conhecido a tristeza, gritou mais uma vez como se não houvesse ninguém por perto ”mas que orgulho eu tenho do nosso vôlei“ e jogou um beijo no ar. Boechat, por tantos anos, foi de uma generosidade e de um carinho comigo que não sei se merecia.

Quando vejo que Boechat está recebendo homenagens e elogios de todos os lados do espectro político, mesmo com seu destemor, seu compromisso com suas ideias e sua coragem de cobrar das autoridades tudo que via como errado, é sinal de que existe e sempre haverá espaço para o jornalismo que, além de competente, é intelectualmente honesto e com um compromisso sem ressalvas com o público, especialmente no rádio, um meio que cria uma sensação de intimidade tão intensa com o ouvinte que todos nós sentimos a perda não de um comunicador com um talento único apenas, mas quase um membro da família, um amigo de todas as manhãs.

Naquele domingo de abril do ano passado, o Papa Francisco disse a todos os presentes, segundo as reportagens da época: “quem dera se todos nós pudéssemos chorar como este menino quando temos uma dor como ele tem em seu coração. Ele chorou por seu pai e teve a coragem de fazer isso na nossa frente, porque em seu coração há amor por seu pai. É um belo testemunho do filho que herdou a força de seu pai e, também, teve a coragem de chorar diante de todos nós. Se aquele homem era capaz de criar filhos assim, é verdade, ele era um bom homem.”

Boechat era pai de seis filhos e um bom homem. Que Deus o receba de braços abertos e com o mesmo sorriso que Boechat iluminou a vida de tantos ao seu redor. Vá em paz, querido e inesquecível Boechat. Que orgulho temos de você.
Lindo texto, fiquei EMOCIONANTE aqui.
Bela conexao com a historia do Papa e o que se define um homem bom. Muito daora.

Kensha is offline   Reply With Quote
SparkS
Trooper
 

14-02-19, 15:35 #26
Quote:
Postado por kuidow Mostrar Post
Era bem experiente. 20 anos de profissao.

Cara, pra mim foi azar do caminhao passar na hora e bater do helicoptero.

Se nao passa o caminhao, ele caia mas nao explodia. Uma fatalidade.
Acabei lendo hoje, era um dos sócios da empresa. Possivelmente o problema técnico não possibilitou a escolha de um lugar melhor para pousar, foi muito azar...


https://www1.folha.uol.com.br/cotidi...cidentes.shtml

SparkS is offline   Reply With Quote
Responder

Thread Tools

Regras de postagem
Você não pode criar novos tópicos
Você não pode postar
Você não pode enviar anexos
Você não pode editar seus posts

BB code is On
Smilies are On
[IMG] code is On
HTML code is Off

Atalho para Fóruns



O formato de hora é GMT -2. horário: 09:45.


Powered by vBulletin®
Copyright ©2000 - 2019, Jelsoft Enterprises Ltd.
User Alert System provided by Advanced User Tagging (Lite) - vBulletin Mods & Addons Copyright © 2019 DragonByte Technologies Ltd.